História do Pilates

Criação do método Pilates

O método foi criado por Joseph Hubertus Pilates, um alemão nascido em 1880, que sofria de asma e febre reumática e se dedicou ao estudo do corpo humano para alcançar um físico forte. Pilates foi boxeador, artista de circo, praticante de yoga e chegou a treinar defesa pessoal para os detetives da Scotland Yard quando se mudou para a Inglaterra.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Pilates ficou confinado em um campo de trabalho onde se dedicou à criação de suas idéias sobre saúde e forma física, instruindo seus companheiros a partir de exercícios em camas com molas. Seu método inicialmente era chamado de “Contrologia” e baseava-se em atividades no solo sem nenhum aparato e em algumas séries nas “máquinas” com polias e molas para resistência. Nos anos 20 Pilates ampliou seu método fundando seu primeiro estúdio em Nova York e lá trabalhando até sua morte em 1967.

A “Contrologia” consiste no controle do corpo unindo mente e respiração ao exercício, buscando a estabilidade a partir do centro do corpo (“Power House”). Os exercícios criados por Pilates foram aprimorados ao longo dos anos e, atualmente, podem ser ministrados por fisioterapeutas, educadores físicos e bailarinos.

Pilates Clínico

Os aprimoramentos do método Pilates e a criação de novos acessórios levaram os fisioterapeutas a estudar este sistema buscando integrar os exercícios na reabilitação de seus pacientes. Dentro deste contexto surgiu o Pilates Clínico, modalidade ministrada apenas por fisioterapeutas que se baseia no método original do Pilates com readaptações de seus exercícios de forma a abranger uma população com distúrbios osteomusculares ou mesmo sedentária, podendo ser aplicado também aos altos graus do esporte com desenvolvimento de práticas que buscam o aprimoramento dos gestos esportivos.

O Pilates Clínico tem forte embasamento científico internacional, comprovando sua eficiência no trabalho de:

  • Reabilitação ortopédica / neurológica;
  • Reeducação postural;
  • Fitness e esporte;
  • Gestante;
  • Pediatria;
  • Idosos;
  • Incontinência urinária e saúde da mulher;
  • reestabelecimento da harmonia das cadeias musculares;
  • algias da coluna;
  • e em grupos.

Princípios do Pilates Clínico

  • Concentração (conexão corpo e mente)
  • Respiração
  • Centrando (Power House – contração suave e precisa da musculatura profunda – responsável pela postura – músculos tônicos)
  • Controle das compensações
  • Precisão
  • Movimento fluido (com dissociações e integrações)
  • Isolamento integrado
  • Rotina / regularidade

Quadro comparativo – Evolução do Pilates

PILATES TRADICIONAL PILATES CLÍNICO
Para pessoas saudáveis / fitness    Para reabilitação- até alto nível fitness
Foco maior para a musculatura externa / superficial    Foco inicial na musculatura tônica responsável pela sustentação da postura e so depois trabalho com musculatura dinâmica fasica responsável pelos grandes movimentos. Exercícios do Pilates Tradicional fragmentados e modificados para a população clínica com evolução gradual até o fitness
Requer boa flexibilidade e movimentos em grande amplitude    Foco inicial na musculatura profunda – de base. Inicia com pequenos ganhos de flexibilidade
Dependente de boa consciência corporal    Baseado em pesquisas de estabilização da coluna e estabilização lombopélvica
Aplicado por fisioterapeuta, educador físico ou bailarinos    Aplicado apenas por fisioterapeutas

Os comentários estão desativados.